segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Três erros fatais que Lúcifer cometeu - resenha



Lúcifer, o anjo caído. Pode existir alguém neste planeta que nunca ouviu falar dele? Não quero fazer publicidade de graça desse odiável e desprezível ser; mas, segundo a bíblia, ele era o 'cara'. Conseguiu ser o anjo mais poderoso, abaixo apenas de Deus. Domina a música, mas não era maestro como muita gente imagina. Cresci acreditando que ele estava no Céu quando se rebelou contra Deus. Entretanto, ao 'ler três erros fatais que Lúcifer cometeu', comecei a questionar no que sempre acreditei. Segundo o autor, o tal anjo estava no Éden quando se rebelou. E, pensando bem, faz sentido. Se o céu é um lugar santo e sob a proteção de Deus, como poderia o erro ou pecado ter surgido lá.

A Bíblia é um livro espiritual que dá margem para diversas interpretações. Há nela uma simbologia que esconde segredos. Portanto, nenhuma religião ou corrente de pensamentos são donos da verdade. É necessário, às vezes, rever conceitos e mudar paradigmas para enxergarmos além da parede que bloqueia a nossa visão.

Outro detalhe que achei relevante no livro de Paulo Luís é quando ele cita o conceito errôneo do dualismo, que é apregoado por muitas denominações do meio evangélico. Tal conceito parece equiparar Deus e Lúcifer a dois gladiadores em eterno combate. Ou seja, colocando ambos no mesmo nível. Entretanto, Deus não divide sua glória com ninguém. É supremo. E seu poder é infinitamente superior. Ele é o criador, o outro, apenas a criatura caída. Já foi julgado. E, no tempo certo, ficará preso para sempre no inferno, conforme está escrito na bíblia. 

'Três erros fatais que Lúcifer cometeu' é um livro impactante e revelador. Possui apenas 70 páginas e pode ser lido em uma hora apenas. Recomendo e o classifico como um bom livro. Afinal, nos menores frascos estão os melhores perfumes.


Abraço
Postar um comentário